Morte no Carrefour revela filtragem racial em empresas de segurança

A morte de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos espancado por dois seguranças de um Carrefour de Porto Alegre, é um exemplo de que o público e o privado no Brasil estão, por vários meios, consorciados na prática de violência e abusividade programada contra pessoas negras.

Veja a matéria original no Portal Consultor Jurídico

Rolar para o topo