TJ-SP anula contrato de empréstimo e manda MP investigar financeira

O contrato de empréstimo pessoal no qual se cobra uma taxa de juros que é mais de três vezes maior que a praticada no mercado é abusivo e, por isso, nulo. O entendimento é do desembargador Roberto Mac Cracken, da 22ª Câmara de Seção de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, que proi…

Continue lendo no portal Consultor Juridico

Rolar para o topo