Obrigar Lula a ouvir testemunhas apenas cria “ônus” ao acusado

A operação “lava jato” volta a produzir mais uma de suas incontáveis ilegalidades. A cada dia que passa, fica a impressão de que os excessos já praticados — tais como levantamento de sigilo de escuta telefônica tendo como alvo a então presidente da República, Dilma Rousseff, ou a condução coercit…

Continue lendo no portal Consultor Juridico

Rolar para o topo