Meta maior após recusa em se fantasiar de frango não é perseguição

Um trabalhador que se negou a usar uma fantasia de frango e, logo depois, passou a ter metas de vendas mais altas não conseguiu transformar seu pedido de demissão em desligamento sem justa causa ao alegar que estaria sendo perseguido pelo empregador. A decisão foi da  2ª Turma do Tribunal Regiona…

Continue lendo no portal Consultor Juridico

Rolar para o topo