fbpx

Pauta de julgamentos previstos para a sessão plenária desta quarta-feira (8)

Confira, abaixo, os temas dos processos pautados para julgamento na sessão plenária desta quarta-feira (8), às 14h, no Supremo Tribunal Federal. A sessão é transmitida em tempo real pela TV Justiça, Rádio Justiça e no canal do STF no YouTube.

Recurso Extraordinário (RE) 760931 – Repercussão Geral
Relatora: ministra Rosa Weber
União x Priscila Medeiros Nunes e outros
Recurso extraordinário contra acórdão da Sexta Turma do TST segundo o qual “o inadimplemento das obrigações trabalhistas por parte do empregador implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços quanto àquelas obrigações, inclusive dos órgãos da Administração Direta, das Autarquias, das Fundações Públicas, das Empresas Públicas e das Sociedades de Economia Mista, desde que hajam participado da relação processual e constem também do título executivo judicial (artigo 71 da Lei nº 8.666/93). Estando a decisão atacada fundada na Súmula nº 331, item IV, do TST, revela-se inviável o processamento regular do recurso de revista, ante o óbice da Súmula nº 333 do TST e do § 4º do artigo 896 da CLT”.
A União alega que a Lei das Licitações (Lei 8.666/93), que veda a transferência de encargos trabalhistas da empresa contratada ao ente contratante, é constitucional e, por esse motivo, a União não pode ser condenada em responsabilidade subsidiária. Afirma que essa modalidade de culpa deve ser provada, e não presumida, entre outros argumentos.
Em discussão: saber se a Administração Pública responde subsidiariamente pelos encargos trabalhistas gerados pelo inadimplemento de empresa prestadora de serviço.
PGR: pelo desprovimento do recurso extraordinário.

Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4318
Relatora: ministra Cármen Lúcia
Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (Conamp) x Governador e Assembleia Legislativa da Bahia
A ação questiona a expressão “instituição essencial à função jurisdicional do Estado”, contida no artigo 4° da Lei 11.370/2009, que “institui a Lei Orgânica da Polícia Civil do Estado da Bahia, e dá outras providências, bem como da expressão “com exclusividade”, contida nos artigos 4º e 6° (inciso I), e artigo 50 (inciso VI), todos da mesma lei estadual.
Sustenta a impetrante, entre outros argumentos, que ao atribuir à Polícia Civil o status de instituição essencial à função jurisdicional do Estado, no caput do artigo 4° da Lei n° 11.370/09, o legislador estadual ofende o disposto nos artigos 127 a 135 da Constituição da República, que elencam como “funções essenciais à justiça” tão somente o Ministério Público, a Advocacia Pública e a Defensoria Pública. Argumenta ainda que não sendo da vontade do constituinte originário atribuir à polícia judiciária o status referido, não poderia o legislador estadual fazê-lo, haja vista que tal disciplina se refere à organização e estrutura do Estado, cuja regulamentação compete exclusivamente à Constituição da República.
Em discussão: saber se a lei estadual usurpa competência privativa da União para legislar sobre direito processual penal e se é possível conferir à polícia civil baiana a exclusividade para o desempenho das investigações criminais.
PGR: pelo prejuízo da ação em relação à expressão “instituição essencial à função jurisdicional do Estado”, e, no mérito, pela procedência do pedido.
*Sobre o mesmo tema será julgada a ADI 4618, ajuizada pelo procurador-geral da República

Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3329
Relator: ministro Gilmar Mendes
Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol) x Governador e Assembleia Legislativa de Santa Catarina
A ação questiona a Lei Complementar 197/2000, do Estado de Santa Catarina, que institui a Lei Orgânica do Ministério Público, e, por arrastamento, do Ato nº 001/2004 do procurador-geral de Justiça e do corregedor-geral do Ministério Público estadual.
A requerente sustenta que “caracteriza ofensa frontal à Constituição o ato normativo que atribua a órgão do Ministério Público as funções de polícia judiciária e a apuração de infrações penais”. Sustenta, ainda, que o ato 001/2004 do Ministério Público Estadual caracteriza usurpação por parte do MPE da Competência do Poder Legislativo; que dispõe sobre direito processual, bem como sobre procedimentos em matéria processual; e que ofende os princípios da legalidade e da separação de poderes.
Em discussão: saber se o Ministério Público detém poderes investigatórios criminais.
PGR: Pela improcedência do pedido.
*Sobre o mesmo tema será julgada também a ADI 3337, ajuizada pela Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol) contra lei do Estado de Pernambuco.

Postado originalmente no portal do Supremo Tribunal Federal

Fale conosco
Enviar
Rolar para o topo