CNJ pune juíza que manteve amizade com réu absolvido por ela

Não se pode cogitar boa-fé quando uma juíza mantém relação com um réu absolvido por ela mesma em processo envolvendo tráfico de drogas – incluindo telefonemas, visitas e interação familiar –, ainda que se alegue que tudo decorreu de “uma sucessão de fatalidades”. Mesmo se não ficar comprovado rec…

Continue lendo no portal Consultor Juridico

Rolar para o topo